segunda-feira, 26 de agosto de 2013

A obsessão do espelho

A obsessão do espelho nas mais variadas implicações com o mito de Narciso constantemente se reelabora. Na busca incessante de si  mesmo, da sua verdade, o homem descobre na imagem refletida a prova física da existência. Só ela lhe oferece o sujeito como objeto, guardada a sua identidade e semelhança. Sucede às vezes apoderar-se o espelho da imagem-objeto para transformá-la em sujeito aos olhos do original. A partir de então, o sujeito só se encontra na contemplação da figura aprisionada pelo cristal. É ela que o assegura da sua existência como personagem. É ela que lhe sugere gestos e posturas. A fábula da rainha vaidosa endossa não só o comportamento da coquette, que se mira a cada instante no espelhinho da bolsa, como a conduta do homem cuja maior preocupação é a figura que faz  aos olhos (espelho) dos outros. Transfere-se, portanto, ao espelho a essencialidade humana.



QUEIROZ, Maria José de. Cesar Vallejo: ser e existência. Coimbra: Atlântida, 1971. p. 87.

sexta-feira, 16 de agosto de 2013

VI Seminário de Pesquisa de Literatura Brasileira - Faculdade de Letras da UFMG, 29 de agosto de 2013


A literatura hispano-americana

Quando se considera a literatura hispano-americana com o intuito de traçar-lhe a perspectiva, entra pelos olhos a visão caleidoscópica deste mundo novo, de tão complexa formação. Como reduzi-la à unidade se, das pirâmides astecas às solidões da Patagônia, tudo é Hispano-América? Haverá também para tão larga faixa de terra, onde "ainda se reza a Jesus Cristo e se fala espanhol", a possibilidade de síntese literária? Ou seríamos obrigados a renunciar à tentação da singularidade para adotar o conceito plural de literaturas hispano-americanas? Dessarte teríamos no plano da política como no das letras a colcha de retalhos, "América hecha añicos" - a que se referia com tristeza o libertador Bolívar. Literatura argentina uruguaia, paraguaia, venezuelana, portorriquense, chilena, guatemalteca... "qué sé yo?".

QUEIROZ, Maria José de. Presença da literatura hispano-americana. Belo Horizonte: Imprensa/Publicações, 1971. p. 22-23.

sábado, 10 de agosto de 2013

A tragédia original do espírito e da alma

Considera-se hoje Dostoievski como o precursor dos estudos psicanalíticos.  Ninguém, como ele, esquadrinhou com maior perspicácia os subterrâneos da alma humana. "Com prazer sádico" - insinuaram alguns - "ele desceu às regiões tenebrosas, caóticas e mórbidas"(1). Houve quem contasse mais de quarenta diferentes tipos de anormais presentes na sua obra. E houve também quem o acusasse de pintar o mundo com um vasto asilo de alienados. O certo é que a preocupação do escritor russo não eram diagnósticos patológicos nem a anamnese clínica: interessavam-lhe as personagens como "casos psicológicos", "do mesmo modo que, nas suas descrições do crime, trata, antes de tudo, de revelar a tragédia original do espírito e da alma. A Dostoievski a perturbação mental do espírito e da alma. A Dostoievski a perturbação mental não sugere o problema médico da cura do cérebro de uma alma sofrida. A sua compreensão não procede de observação objetiva, vem-lhe da experiência e do sofrimento pessoais."(2)

(1) FÜLOP-MILLER, Ren. Dostoievski, précursor de la psychanalyse. In: Dostoievski: l'intitif, le croyant, le poète. Paris: Éditions Albin-Michel, 1954. p. 145.

(2)  FÜLOP-MILLER, 1954, p. 155.

QUEIROZ, Maria José de. A literatura alucinada: do êxtase das drogas à vertigem da loucura. Rio de Janeiro: Atheneu Cultura, 1990. p. 86.