domingo, 20 de outubro de 2013

A selva fortalece e consagra amizades

Vinte e três anos de convivência com a floresta, com as cobras, os insetos, as febres, as piranhas e... com a morte. A morte sem disfarce. Quando ataca, ataca sem piedade: de frente. Só o homem, na selva, ataca por trás, de emboscada. Só o homem é hipócrita e mal-intencionado. Dos bichos e das árvores não tenho queixas. Marcaram-me fundo. Mas combatemos combate leal! Hay que temer a los hombres! No entanto quando se tem um amigo... A selva fortalece e consagra as amizades. Ali, sim, é que a fidelidade do amigo se põe à prova. O verniz da civilização não tem razão de ser. Supérfluas nos parecem, e falsas, as fórmulas de polidez, os elogios, os agrados, a solidariedade de fachada. A floresta, testemunha silenciosa, exige atos e não palavras.

QUEIROZ, Maria José de.  Homem de sete partidas. 2. ed.  Rio de Janeiro:  Record,  1999.   p. 86.

sábado, 12 de outubro de 2013

Dorotéia

Noites brancas, sem sossego,
manhã fria de Ouro Preto
Marília, noiva do vento.

O rico vestido bordado,
as liras apaixonadas,
as promessas... o noivo...
Palavras.

Nas ruas, o olhar avesso,
nas rótulas, o vago vozeio,
o riso, a família... Bem feito!

Primeiro a vergonha, o processo,
a dúvida, os versos.
O amor vence tudo,
ainda há esperança...
Dá-se um jeito.
Os dias passando, os meses,
cartas raras, o degredo.
À África? Quem sabe?
Coração maior do que o mundo...
Se amor existe, o mar é pouco...

Dá-se um jeito.
O silêncio.
Silêncio longo de anos,
o casamento, o lar... o dinheiro...
São estes os campos?
Talvez.
Na casa de muitos quartos,
corredores estreitos,
madrugadas prenhes de espantos.
A solidão, fiel conselheira,
desenreda velhos novelos,
corrige passados enganos.
Marília, noiva esquecida,
responde pelo seu nome.
Liras e versos falazes
esquecem-se entre duas fraldas,
no leve embalo do berço
com uma canção de ninar.
São estes os campos?
São estes.
Dorotéia os desencantou.

Belo Horizonte, 1973.

QUEIROZ, Maria José de. Exercício de fiandeira. Coimbra: Coimbra, 1974. p. 35-36.

quinta-feira, 10 de outubro de 2013

Paixão inútil

Em vão me distraio
no suor e na pena,
no proveito e no ganho,
no esforço diário
da moenda e do pão.
Reinvento leis e parábolas,
prêmio e castigo,
abono a tristeza legítima
(a única, dizem)
de não ser santo.
Em precipitada fuga
aos minerais negros,
ao sol ávido e à herança de sal,
aspiro à graça mística
do saber de salvação.

Finjo aplicar-me
e... quase me convenço:
mato o  tempo,
mastigo ilusões.
Mas sempre me sobram, sempre,
sonhos rebeldes, insônia,
brancas vigílias de sabores ambíguos,
densos perfumes,
rumores súbitos,
rosas rubras.
O corpo alerta
às numéricas palavras
- datas, meses, anos -
ao que falta, ao que resta,
nefastas lembranças,
frustrações...
Ignoro causas,
desconheço pretextos
e me vejo eleito,
em metáfora de viagem
- acaso, necessidade ou maldição - a concluir vidas
em mim prolongadas
sem remissão.
Faço contas,
demoro-me no cálculo:
dinastias milenares
acumulam-se no esquecimento,
sedimentadas de amor e ódio,
desespero e arrogância.
Pesa-me o fardo
de tão longo itinerário
à margem de ataúdes e vultos
que tangem lentas lembranças.
O destino, claro, importa pouco:
nascimento e morte,
começo e fim igualmente se consomem
no cego fulgor da febre e na ciência do pranto.
Pois a mim, afinal, de que me valem
as profecias delirantes,
a família, a honra, o nome,
as dinastias milenares
e sua carga de olvido e de sangue,
se, no assombro de ser,
inutilmente,
lavro o tempo estéril
e semeio meu  legado de cinza e solidões?

Belo Horizonte, abril, 1975.

QUEIROZ, Maria José de. Para que serve um arco-íris? Belo Horizonte: Imprensa, 1982.
p. 81-82. 


quinta-feira, 3 de outubro de 2013

Quanto maior o sofrimento, maior a glória


Grandes igrejas, velas, candelabros, ornamentação luxuosa, missas caras, eis o que se exige dos indígenas para agradar a taita Dios e fazê-lo esquecer as injúrias. Recompensa? O paraíso. Quanto maiores os sofrimentos, maior a glória celeste. Los bienes espirituales son permanentes. Los sufrimientos y la fe, la fe en la Providencia, abren el camino de la felicidad eterna en el seno del Señor... Aconselha-se resignación y espíritu cristiano. Se não receberem recompensa neste mundo, melhor... A doutrina cristã acena-lhes com a felicidade no outro.


QUEIROZ, Maria José de. Do indianismo ao indigenismo nas letras hispano-americanas. Belo Horizonte: Imprensa da Universidade de Minas Gerais, 1962. p. 143.