domingo, 23 de dezembro de 2012

Rol de signos


Para, olha, medita:
o mundo,
carta de enigmas,
abre aos teus olhos
extenso rol de signos.
No espelho das águas,
Narciso e o mito;
no profundo mar, submerso,
o sonho imperecível de Ícaro;
na penha tenebrosa,
Prometeu acorrentado
à eternidade do delito.






O rosto e a imagem
- perfil ambíguo,
ele e eu, eu e ele, confundidos;
a fuga ao chão,
na vertigem das asas livres,
a envergadura em equilíbrio;
o raio aprisionado
na frágil argila
- risco tosco,
forma indecisa...
assim começa,
e recomeça,
nosso itinerário de equívocos.

A libélula ao redor da luz,
o sapo e a víbora,
a árvore  da ciência,
o canto do pássaro
que cabe, eterno,
no pulsar do sangue,
entre dois versículos da Bíblia,
as cores todas do céu,
o disco de Newton
- do amarelo ao rubro,
dentro do branco de Leonardo,
inicial e receptivo...
Tudo é enigma.
A esfinge hierática,
quimera voraz,
vela à porfia:
mistério denso
nos chama
do fundo as suas pupilas.
Seu sexo, inviolado,
negros perfumes transpira.
Ah, tentação de possuí-la!

Belo Horizonte, outubro, 1978.

QUEIROZ, Maria José de. Para que serve um arco-íris? Belo Horizonte: Imprensa, 1982. p. 13-14.

quarta-feira, 24 de outubro de 2012

Miudezas

Se repito igualzinho igualzinho, nem tem mais graça! O encanto do caso está nessas miudezas que vêm e que vão e que tanto podem enfeitar história triste como história alegre, acontecida deveras ou inventada só - reclamava Itacolomi. Eu, contudo, exigia fidelidade da imaginação à versão original. E não arredava daí a teimosia de ouvinte minuciosa. Queria também que as miudezas aparecessem na hora certa e no lugar conhecido. Quando ele vacilava, eu puxava da sua língua e da memória [...].

QUEIROZ, Maria José. Joaquina, filha do Tiradentes. São Paulo: Marco Zero, 1987. p. 25.

domingo, 14 de outubro de 2012

A dor de pertencer à humanidade

Amargurada, desci à Amazônia com uma frase de Cocteau na cabeça: "J'ai mal d'être homme." Também eu carrego como peso a dor de pertencer à humanidade. Como é que pode haver tanta gente ruim no mundo? Será que pertencemos, todos, ao mesmo gênero humano? Ao fazer essa pergunta a Ostrov, já em convalescença, em casa, ele me respondeu:
- Tenho minhas dúvidas. Não conhecendo a frase de Cocteau, contentava-me em repetir o verso de Neruda - "Sucede que me canso de ser hombre" -, bem próximo, no seu pessimismo, da frase que me citou. Mas não creia que alguém escape da miséria humana. Ninguém é perfeito. A ruindade, os vícios, o crime são nosso patrimônio comum.

QUEIROZ, Maria José de. Vladslav Ostrov, príncipe do Juruena. Rio de Janeiro: Record, 1999. p. 159.

sábado, 6 de outubro de 2012

Das uvas e dos dentes dos filhos

Quando contei à comadre Elvira que os meus escrúpulos de consciência não me deixavam dormir, ela não se admirou. Era pior que eu. Em pecado grave, mortal, não amamentava os filhos. Temia que Deus punisse o inocente para castigá-la. Perguntei-lhe de onde tinha tirado isso. Da Bíblia. Da Bíblia? Pois não está escrito que "Os pais comeram uvas verdes e os dentes dos filhos ficaram embotados"? Fiquei horrorizada. Não sosseguei enquanto não obtive do padre Arduíno uma boa explicação para a sentença bíblica. E corri a participar à comadre que podia amamentar o coitadinho do afilhado sem susto: as uvas verdes nada tinham a ver com o leite materno. Helena, sua irmã, me contou que Elvira tinha mania de pecado.

QUEIROZ, Maria José de. Homem de sete partidas. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1980. p. 65.

sexta-feira, 14 de setembro de 2012

Decálogo que rege o paladar, de Brillat-Savarin

Ei-los:

I - O Universo só existe pela vida e tudo que vive se alimenta.

II - Os animais pastam; o homem come, só o homem de espírito sabe comer.

III - O destino das nações depende do modo pelo qual se alimentam.

IV - Diz-me o que comes e dir-te-ei quem quem és.

V - Ao obrigar o homem a comer para viver, o Criador convida-o a fazê-lo pelo apetite e o recompensa pelo prazer.

VI - A gulodice é o ato do julgamento pelo qual manifestamos nossa preferência pelas coisas que são agradáveis ao gosto em detrimento daquelas que não têm essa qualidade.

VII - O prazer da mesa é de todas as idades, de todas as condições, de todos os demais prazeres e é o último que resta para consolar-nos da sua perda.

VIII - A mesa é o único lugar onde jamais nos entendiamos na primeira hora.

IX - A descoberta de um novo prato faz mais pela felicidade do gênero humano que a descoberta de uma estrela.

X - Os que têm indigestão ou que se embriagam não sabem comer nem beber.

QUEIROZ, Maria José de. A comida e a cozinha: iniciação à arte de comer. Rio de Janeiro: Forense, 1988. p. 107-108.

domingo, 9 de setembro de 2012

As amazonas

As amazonas - Carybé, Hector Julio Páride Bernabó (1969)
Francisco de Orellana, o primeiro a cruzar o "rio-mar" em 1542, vinculou-lhe o nome à lenda das mulheres guerreiras, estranhas habitantes das margens do rio Caimé, ao sul do Solimões, entre o Ucaiale e o Madeira. O encontro do conquistador com uma tribo indígena, armada de arcos e flechas, os cabelos longos ao vento, tornou-se objeto de repetidas reelaborações míticas. À vista do grupo aguerrido, figurou-he a memória um antigo quadro, de longíqua fixação no imaginário europeu: o das fabulosas amazonas das margens do Termodonte, na Capadócia. Em resposta ao inesperado lapso da fantasia, o bravo espanhol não teve dúvida: atribuiu nova morada às guerreiras que respondiam, na Antiguidade, pelos nomes de Pentesilea, Antíope, Valestris, Tomiris... (...)

O mito das amazonas divulgou-se em numerosas crônicas de viagem. O rio, inicialmente cognominado Orellana, acabou por denominar-se rio das Amazonas, prova evidente e efetiva do crétidito atribuído à lenda. O próprio Humboldt, inteiramente consagrado à ciência e zeloso, sempre, da verdade, esquivou-se a negá-la: preferiu explicar que não se destituía de funamento a tradição veiculadas pelos primeiros conquistadores. 

QUEIROZ, Maria José de. A América: a nossa e as outras. 500 anos de ficção e realidade. 1492-1992. Rio de Janeiro: Agir, 1992. p. 139.

domingo, 2 de setembro de 2012

Vila Rica, vila pobre

A Eduardo Frieiro

Vila Rica, vila pobre,
gente rica, gente pobre,
pobre gente!
Os cavalos de Filipe entram na história:
a galope.

Vila Rica, vila pobre,
gente rica, gente pobre,
pobre gente!
Corda ao pescoço, traje infame,
Tiradentes sofre injúria,
vira estátua, vira selo,
crescem-lhe barbas, cabelo.
Enquanto se arrasta o processo,
a liberdade tardia
– sonho inútil, utopia –,
vira forca, devassa, degredo.

Vila Rica, vila pobre,
gente rica, gente pobre,
pobre gente!
Rimas pobres, rimas ricas,
bela Marília menina,
noiva mineira esquecida,
rico enxoval sem destino.

Rimas pobres, rimas ricas,
Bárbara do mau caminho,
estrela do norte perdida,
no desnorteio do afeto,
na razão em desvario.

Rimas pobres, rimas ricas,
Cláudio inventa suicídio
para desculpa de assassinos.

Vila Rica, vila pobre,
gente rica, gente pobre,
pobre gente!
O braço se abre em cinzel,
alonga-se em gesto preciso
de mão sábia, dedo em riste.
No alto do Matosinhos,
longe da Vila Rica,
braços e mãos em festa
compensam falha divina:
nosso manco genial
acusa e vaticina.
No aceno dos profetas,
a sua maior conquista.

Vila Rica, vila pobre,
gente rica, gente pobre,
pobre gente!
No silêncio da capela,
música esquecida.
Nos ouvidos surdos,
ferro e hematita.
Que voz estrangeira nos cante
a nossa melhor missa:
Joaquim Emerico Lobo de Mesquita.

Vila Rica, vila pobre,
gente rica, gente pobre,
pobre gente!

Paris, fevereiro de 1971.

QUEIROZ, Maria José de.  Vila Rica, vila pobre. In: ______. Como me contaram... fábulas historiais. Belo Horizonte: Imprensa/Publicações, 1973. p. 47-51.




Ribeirão do Carmo, 1696 - Ouro Preto, 1698

Se qualquer destino se inventa, ou se constrói, na indivisível duração do segundo, convençamo-nos: o Coronel Salvador Fernandes Furtado de Mendonça e Miguel Garcia da Cunha endossaram essa velha crença já autorizada pelas biografias ilustres (e nem por isso mais conhecidas) de Alexandre e Aníbal. Ao compreender que o mundo começava ali no Mato Dentro, não recuaram. Diante do quase infinito horizonte vincularam a biografia à história do sertão, esquecendo dissidências e conflitos.
Passar do sonho à realidade, prever o imprevisível, não é fácil. Contudo, o Coronel chamou a si o encargo: arrancou-se do êxtase e deu o sinal de marcha. Assumindo a própria vida, tranformou em prólogo a desilusão da Itaperava exausta. Do alto do Tripuí fitou o mundo, e dele tomou posse. Foi num domingo, 16 de julho de 1969, festa da Virgem.
Diogo de Vasconcelos, na História Antigas das Minas Gerais, I, VIII, ratifica essa versão. E acrescenta: "Os companheiros, ergendo então os machados, fizeram retumbar o côncavo das florestas aos golpes da posse, e desceram para as fraldas da serra, de onde começaram a ouvir o estrépido soturno das águas. " Ao longo da praia do Ribeirão do Carmo enfileiraram as primeiras cabanas espalharam as primeiras bateias. Os granitos saltaram. Cor de aço. Esquecidos de que o céu ordena as coisas e a terra as padece exultaram felizes. Recriaram, nos corações, o mais gratos dos mitos. Para aboná-lo, recorreram a Artur de Sá, responsável pelas ordens régias e pelas minas. Os dentes trincaram o metal. Um nome encheu-lhe a boca: ouro! Em Taubaté o eco repetiu: ouro, ouro. Veio o edito.
A história refere que ao retumbar o estrondo do descobrimento a corrida começou nas vereias do Embaú. E também as derrotas e descaminhos. Até que numa manhã fria de junho, sob a invocação de São João Batista, o santo do dia, a mesma palavra, mil vezes repetida, despertou a terra no grio, Ouro Preto! Foi nessa madrugada que as nossas inquietudes geralistas tiveram nascimento. As Minas Gerais viraram geografia: o Itacolomi, à distância, anunciava a Vila Rica.

QUEIROZ, Maria José de.  Ribeirão do Carmos, 1669 - Ouro Preto, 1698. In: ______. Como me contaram... fábulas historiais. Belo Horizonte: Imprensa/Publicações, 1973. p. 25-28.

terça-feira, 21 de agosto de 2012

América, em oração, de Pablo Neruda

Há uma América a nossa espera: a nossa América. A cada um de nós ela se revelará distintamente. E a muitos aparecerá como a Pablo Neruda, em forma de oração:

"AMÉRICA, no invoco tu nombre en vano.
Cuando sujeto al corazón la espada,
cuando aguanto en el alma la gotera,
cuando por las ventanas
un nuevo día tuyo me penetra,
soy y estoy en la luz que me produce,
vivo en la sombra que me determina,
duermo y despierto en tu esencial aurora
dulce com las uvas, y terrible,
conductor del azúcar y el castigo,
empapado en esperma de tu especie,
amamantado en sangre de tu herencia".

QUEIROZ, Maria José de. Presença da literatura hispano-americana. Belo Horizonte: Imprensa/Publicações, 1971. p. 23.


sábado, 18 de agosto de 2012

Os sentidos e as emoções

Os sentidos, não há dúvida, despertam emoções: um perfume traz à lembrança toda a circunstância em que foi sentido pela primeira vez. Essa emoção, entretanto, caracteriza a reação presente e não se pode dizer que seja a original. O tempo interior impede a repetição do mesmo estado. Embora presente, é apenas a representação de um estado interior. Deux éditions d'un même état de conscience sont deux événements distincts, enfermés chacun dans sa peau; l'etat de conscience d'hier est mort et enterré: la présence de l'etat de conscience d'aujord'hui ne le fera pas ressusciter. (Wiliam James) O ato deleitoso não acontece outra vez. Assim como o segundo copo de água nunca é idêntico ao primeiro, a sensação buscada pela segunda vez tem amplitude e significado diversos dos que se obteve de início. Só a música contraria a irreversibilidade. Pela sua capacidade de retorno, surge como uma espécie de modelo alto e inalcançável - fluindo no tempo - da reversão das categorias do tempo.

QUEIROZ, Maria José de. A poesia de Juana de Ibarbourou. Belo Horizonte: Imprensa da UFMG, 1961. p. 169.  

sábado, 4 de agosto de 2012

Carne e sentidos


A grande revolução da culinária da segunda metade do século XVII considera o homem - "feito de carne e de sentidos"- como alvo de suas criações. A cozinha favorece respostas naturais aos estímulos, liberando-o do narcisismo estéril. Fechado em si mesmo, de que vive ele? Que respira? Que vê? Que apalpa? Que ouve? À mesa, rompe-se o isolamento: o homem comunica-se com o mundo que vem até ele sob forma de comida. O distante se torna próximo e o que era objeto se assimila ao sujeito, mercê do dom da "mastigação".


QUEIROZ, Maria José de. A comida e a cozinha: iniciação à arte de comer. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1988. p. 54.  

terça-feira, 24 de julho de 2012

Na prisão com Paulo e Silas

Na prisão de Filipos, segundo os Atos - 16, 23-40, Paulo e Silas foram lançados numa cela obscura e malcheirosa, situada sobre a acrópole. Os prisioneiros, com os pés cerrados em sólido bloco de madeira, o pescoço e as mãos algemadas, encadeados a um gancho encravado no muro, mal se moviam. Ainda feridos, e em sangue, Silas e Paulo ouviam, sentados, o confuso e monótono rumor dos demais condenados: blasfêmias, pranto, gritos e arrastar de grilhões.

Um fato insólito, sucedido durante sua permanência na prisão filipense, merece do apóstolo narração cuidadosa.  No meio da noite, depois da rendição da sentinela, irrompe, tímido, conhecido cântico cristão. Denso e triste, aos poucos se avoluma. E em crescendo, jubiloso, explode. O autor dos Atos esclarece que "segundo a disciplina eclesiástica do 3o. século, os antidos cristãos tinham o hábito de levantar-se à noite para rezar. E a razão profunda de tal procedimento arranca da tradição, transmitida de pai a filho - 'À meia-noite, levanta-se, lava tuas mãos e ora! 'É que, nessa hora, a criação inteira fica imóvel para louvar o Senhor; as estrelas e as árvores, os rios e os anjos e as almas dos justos, todos cantam louvores ao Senhor'. A Silas e Paulo parecia inaudito se convertesse em cântico harmonioso o coro do ódio e rancor entoado à luz do dia. E enquanto se admiravam da súbita mudança, um milagre inesperado põe fim à música: um forte tremor, de terra abre as portas das  celas, faz cair dos muros algemas e cadeias. Paulo e Silas nele vêem a mão de Deus. Não se valem, contudo, da sua clemência. E impõem ordem no presídio. Nenhum dos prisioneiros procura fugir. Voltam todos, segundo o Codex Bezae, às celas escuras. Com duas exceções: Silas e Paulo. Aos quais se permitiu caminhar livremente até o pátio. O carcereiro neles reconhecera os mensageiros de um deus superior e poderoso e autores, prováveis, do tremor de terra.

QUEIROZ, Maria José de. A literatura encarcerada. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1981. p. 25. 

sexta-feira, 1 de junho de 2012

Amor

 Cantabile

Com a boca escreves poemas
e com a voz os ensoas.

Letra por letra soletras
a tua coita de amor.

Guaiado te proclamas
nos suspiros prolongados,
nas sílabas lhanas.



E tatibitate repetes,
os lábios colados à pele,
a tua cantiga de amor.

Os versos crescem,
encadeiam-se,
e em estrofes se alargam.

Aos dedos, o ofício
de espertar as cordas
sensíveis ao dedilhado.

Música e letra se unem
para elevar ao amor
hino de carne e palavra.

Rimas em colcheias,
aféreses em quiálteras,
tudo transportas à escala.

Compasso por compasso
inventas canção de amor
no mais raro teclado.
Em sustenido maior
vivemos noite larga:
invenções a duas vozes,
fuga e contraponto,
acordes temperados.

À primeira luz do dia
dissipam-se no ar
seus últimos harmônicos
- cadência plagal,
exata.

De tua boca evolo,
volátil:
sou poema
cantabile.

QUEIROZ, Maria José de. Resgate do real: amor e morte. Coimbra: Coimbra Editora, 1978. p. 25.

domingo, 29 de abril de 2012

Deus e os cavalos

            Para José Ernesto Ballstaedt

“... e después de Dios, debemos la victoria a los caballos”
(Bernal Díaz del Castillo)

A história da América
nas patas dos cavalos.
Deus e os cavalos.
No México de Montezuma e de Guauhtemoc,
no Peru de Huáscar e Atahualpa,
no Chile de Colocolo, Caupoliclan e de Lautaro.
Destros e firmes ginetes,
fortes e ágeis centauros;
Córtez, Quesada, Valdivia,
Alderete, Almagro, Pizarro.
Vontade de poder, pulso e rédeas,
gana de conquista, “cierra España” e Santiago.
Mais, astecas e aimarás,
chibchas, miscas e incas,
impérios de alto prestígio,
Minas de ouro e de prata,
as sete cidades de Cibola,
o mítico El Dorado,
a fonte de Juvência,
as amazonas indomáveis
renderam-se aos cascos sonoros
do conquistador conquistado.

Depois de Deus, os cavalos.
Nas suas patas, dez mil anos de história:
o círculo do universo, a bússola,
a imprensa, a Bíblia, a Reforma.
Dos olivais de Sevilha aos campos de Granada,
dos montes de Aragão e Castela, seca e árida,
fidalgos de armas ilustres,
filhos de humildes casas,
heróis e aventureiros, cristãos iluminados
vincaram no chão da América o seio da Conquista
de timbre ibérico, celta e árabe:
cravos e ferraduras, em quatro golpes gravados.
O capitão Cortés no seu cavalo zaino,
Pedro de Alvarado na metade de uma égua,
tomada a Lopes de Ayala.
Hernández Puertocarrero numa russa ligeira
E Velásquez de León na sua Rabona agitada.
Cristobal de Olid num castanho escuro de raça
e Francisco de Montejo num alazão tostado.
Juan Sedeño, o rico, na égua castanha
(que deu cria na viagem).
Ortiz, o músico, no Arrieiro, um dos melhores da armada.
Esses e outros cavalos, de “ancas reluzentes e cascos musicais”,
galopam com Bernal Díaz, da província de Yucatán
às fronteiras da Nova Espanha, na Relação verdadeira
Dos feitos e façanhas dos soldados de Cortés
Em terras ignoradas.
Villano, Zainillo e Salnillas sustentaram a Pizarro,
Gonçalo de nome, irmão de Francisco – Marques de Atavillos,
nos seus mais rudes combates.
O seu lugar-tenente, o “Demônio dos Andes”, o famoso Carvajal,
Em Sacsahuaman, com Boscanillo, perdeu sua última batalha.
No celebrado Matamoros, o capitão Palomino
cruzou primeiro o Peru
e chegou logo a Granada
(a Granada do Novo Mundo que  muitos chamam Nova Granada).

Ao adelantado De Soto, uma das melhores lanças
que às terras do Norte passaram,
Acompanhou El Aceituno
na Expedição da Flórida.
Hipogrifos desnastrados,
os cavalos andaluzes
chegaram com Juan Díaz
a Palermo e a Buenos Aires.
Na noite imóvel, decifrada por Anaxágoras,
o conquistador fez-se gaúcho;
povoou o pampa de machos.
Matou índios, carneou rezes,
morreu de sua morte
quando a cidade lhe arrebatou o deserto,
opondo a civilização à barbárie
Cow-boy, gaúcho, llanero,
vaqueiro, peão, tropeiro
perseguem no tempo unânime
as léguas fatigadas
de centauros sublimados,
firmes nas quatro patas.
Depois de Deus, os cavalos.


sábado, 7 de abril de 2012

Projeto: Romance Histórico



Projeto: Romance Histórico - Minas Gerais: Joaquina, filha do Tiradentes.

Direção: Lesle Nascimento
Produção: Lyslei Nascimento
Arte, Fotografia: Lesle Nascimento
Roteiro: Lyslei Nascimento
Câmeras: Lesle Nascimento & Márcia Nascimento
Edição e pós-produção: Lesle Nascimento
Trilha: "Gymnopedie", de Erik Satie, por Kevin MacLeod
Agradecimento: Sra. Regina Bilac Pinto

Rio de Janeiro, março 2012.

segunda-feira, 12 de março de 2012

A serviço do verbo















Estranha fascinação, a da palavra!
Milagre cotidiano ao qual rendo,
extasiada,
devoto preito
de vestal.
Admiro-lhe forma,
cor e sonoridade.
Ao seu prestígio atenta,
esqueço vida, amor, mundo.
Para servi-la, humilde e cauta,
desperto, todas as manhãs,
inquietudes indormidas,
penteio cérebro e ideias
à procura do verbo
que me certifica
da humana existência,
de paisagens improváveis,
e coisas presumíveis.
Atrás do conceito cabal,
fugidio e esquivo,
apalpo a prova exata,
definitiva,
razão de todo empenho
em que me perco, alienada.
Dias, anos, sangue e espírito,
tudo dissipo
em contastante fuga,
distraída.

Transfiro à frase escrita
emoção e sentido:
outros os emprestam
aos guisos de tenra idade,
aos risos da adolescência,
aos anseios amorosos
de três e mais estações.

Minha herança, por páginas semeada,
floresce enquanto padeço
pena e angústias de criação.
Depois, feito o silêncio,
em doido transe me interrogo:
que restará da página plena
e do viver inconcluso.
Mas ante o vazio do branco puro
ao sonho volto,
fugo em quimeras,
alheia ao mundo,
imatura.

Essa, a vida que me dei - reflexo e imagem.
Perdi-me em signos, inventei-me.
Agora me reencontro:
no espelho, e no fim deste verso, maduro.

Paris, primavera de 1970.

QUEIROZ, Maria José de. Exercício de gravitação.Coimbra: Atlântida, 1972. p. 70-72.

domingo, 26 de fevereiro de 2012

Minas além do som, Minas Gerais

A Carlos Drummond de Andrade

Todos os caminhos do mundo se abriram em veredas,
veredas de sertão mineiro, severo, agreste.
Todos os muros se fizeram montanhas,
montanhas de Minas, graves, austeras.
Corri países, mudei constelações
de vário brilho e diferente estrela.
Descobri parentes vascos e belgas,
duas tias em Lião.
- Outra fala, outra costela,
distinto sangre, nova pele.
Primos de todos os graus,
dos quatro cantos da terra,
completaram a família
em Cocais e Cláudio começada
e hoje, longe, tão  longe dos gerais
ganha continentes, espalha-se sobre o mapa,
em roda larga, completa.
Mas no fim de cada estrada
Minas me espera, de alcatéia.
Na esquina de mim mesma
entre calle street strasse e boulevard,
no agudo da incerteza,
da angústia, do desassossego,
Minas me diz: presente!
Olhos fechados, livre de todo medo,
os músculos me ensinam
montanha, ferro e aço:
regresso às minhas veredas.
No sertão alucinado
a paz se restabelece.
Minas existe.
Vivo de sua herança: ilesa.

Paris, dezembro de 1971.

QUEIROZ, Maria José de. Como me contaram... fábulas historiais. Belo Horizonte: Imprensa/Publicações, 1973. p. 221-224.

Minas Gerais, "estado d'alma"










Para Manuel Bandeira

Minas soluça em todos os nossos remorsos.
Em cada abstinência, sacrifício,
em cada continência, frustração.
Entre os grandes, amordaçar-se,
entre os pequenos, calar-se;
presença quase ausência,
nenhum desejo de ser notado.
Os olhos baixos, o riso raro,
a modéstia escondida
na voz tímida, no gesto tardo.
O mineiro se exime de escândalo
para condenar-se ao hábito.
Na alma, o maior dos pecados:
a vaidade de não ter vaidade.
Sobriedade no vestido,
mesa frugal, alguma carne;
feijão, angu e couve,
pouco açúcar, queijo, café ralo.
Nos pés calçados de ferro,
o peso da gravidade.
Longe de Minas o luxo, o mar, o alarde.
Metade da vida se perde
no silêncio prolongado,
na saudade das grandes águas,
na nostalgia de longos praias.
Na montanha elevada,
a nossa maior audácia:
o olhar arrebatado
inventa façanha e obstáculo.
No sonho de liberdade tardia,
a Utopia malograda;
na cisma do cigarro de palha,
metafísica de fumaça;
no latim e na gramática,
a rêmora do Caraça;
na linguagem monossilábica,
retórica de estilo ático;
no culto da família, tradição e propriedade,
ronha de sacristia,
muita traça.
No sertão bravo e zona da mata,
a filosofia do asfalto:
Arinos e Riobaldo.
a verdade verdadeira é que Minas soluça
em todos os nossos remorsos;
os gerais justificam
a nossa lentidão e cansaço:
Minas Gerais, "estado d'alma".

Belo Horizonte, dezembro de 1971.

QUEIROZ, Maria José de. Como me contaram... fábulas historiais. Belo Horizonte: Imprensa/Publicações, 1973. p. 14-16.

quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

Rayuela, de Julio Cortázar

Rayuela (1963), de Julio Cortázar, obra-prima da "nova" literatura hispano-americana (que hoje se deu de chamar "latino-americana"), também foca a vida num manicômio. O interesse da intriga concentra-se em algumas personagens cuja permanência numa clínica para doentes mentais pouco tem a ver com a demência. Horacio Oliveira, um dos protagonistas, pode vislumbrar, da janela do seu quarto, os riscos do jogo da amarelinha no pátio do hospital. Uma noite, assiste dali do seu posto à tentativa malograda de Talita, de fazer passar a pedra do jogo ao número 8. Ela falha, e é nesse instante que ele descobre tê-la confundido com Maga, sua amante. Jogo do amor? Jogo da amarelinha? Iluminação súbita?

QUEIROZ, Maria José de. A literatura alucinada: do êxtase das drogas à vertigem da loucura. Rio de Janeiro: Atheneu Cultura, 1990, 139-140.

terça-feira, 3 de janeiro de 2012

1789-1790

Que sílabas latinas ressoassem em terras incultas e que a aplicação aos estudos significasse apenasmente amor desinteressado à ciência e ao saber parecia coisa absurda aos olhos e ouvidos dos promotores da Devassa da Inconfidência Mineira. Não nos compete, no entanto, desentender-lhes os argumentos. A história já os deu por entendidos. Vamos além.

Das inúmeráveis doutrinas registradas no Século XVIII avulta em importância, e em prestígio, a Ilustração. E Luís Vieira da Silva, como tantos outros inconfientes, não só a conhecia como a professava no silêncio da sua biblioteca frequentada pelo diabo,* inspirador da Enciclopédia e do racionalismo.

Se é verdade que raramente se sabe, ao certo, aquilo em que se crê, a ninguém, mais que ao Cônego suspeito de sublevação, se deveria aplicar  o aforismo. Ilustrado, nutrido de boa ciência, bem informado, muito natural que Voltaire, grande agitador de ideias, e o abade Mably, utopista, lhe ensinassem política e rebeldia. Contudo, a sua memória, espelho de  noites e dias de leitura, pouco o ajudou durante o interrogatório da Ilha das Cobras. Não lhe lembrava se entre as pessoas da sua amizade jamais se tivesse falado sobre a matéria do levante nem que dele lhe tivessem dado qualquer notícia.

Todo o seu passado de dedicação à Igreja, pois era sacerdote exato e de firme crença católica, bem como o prolongado empenho no saber, de nada lhe valeram. O seu primeiro sentimento, os autores o comprovam, foi o de eximir-se de toda culpa, declarando-se alheio à conspirata infame. Depois, instado uma e mais vezes para que confessasse a verdade, à qual tinha faltado, respondeu,"cuidando só dos seus deveres, tratando como mais importante do bem espiritual sem se embaraçar com o corpo, (...) dizer tudo o que sabe, cumprindo com isso as obrigações de fiel vassalo que Sua Majestade tome as providências que for servido."**

Essas coisas aconteceram em 1789 e 1790.

Antes que chegasse ao seu fim, o Cônego Luís Vieira da Silva se viu privado da sua livraria, todos os seus bens confiscados pelo Governo. Só não lhe confiscaram a erudição, penosamente adquirida. Confiscou-a a morte, impiedosa. Não se procedeu, então, a devassa nem se lavrou auto de sequestro.

* Leia-se, de Eduardo Frieiro, O diabo na livraria do Cônego. (Belo Horizonte, Editora Itatiaia Ltda., 1957). O autor avalia, à vista do catálogo dos livros confiscados, o apetite de cultura do inconfidente que o malogro da conspiração frustrou para sempre.
** Cf. Autos de Devassa da Inconfidência Mineira, p. 299.

QUEIROZ, Maria José de. Como me contaram: fábulas historiais. Belo Horizonte: Imprensa/Publicações, 1973. p. 69-73.