segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

Projeto de Mestrado em Letras - Como me contaram: fábulas historiais, de Maria José de Queiroz, e Atlas, de Jorge Luis Borges

Título: Como me contaram: fábulas historiais, de Maria José de Queiroz, e Atlas, de Jorge Luis Borges

Resumo: O objetivo principal desse projeto é estudar a obra de Maria José de Queiroz a partir da análise da representação das cidades em Como me contaram: fábulas historiais, publicado em 1971, e em Atlas, de Jorge Luis Borges, de 1984.

Em Como me contaram: fábulas historiais, o narrador afirma que “Felizmente não nos atormenta a tentação da referência exata: as datas precisas – dia, mês e ano do acontecido – gastaram-se na constante repetição da história.”, (QUEIROZ, 1973, p. 19). As histórias narradas não são, assim, presas à sua comprovação histórica, já que essa narrativa firma com o leitor um contrato de verossimilhança, de despreocupação com comprovações. O objetivo é narrar “causos”, lendas, histórias.

Uma referência importante em Como me contaram é Jorge Luís Borges. Para a escritora, no relato “Formas de una leyenda”,  o escritor argentino afirma que “a realidade pode ser demasiado complexa para a transmissão oral; a lenda recria de uma maneira que só acidentalmente é falsa e que lhe permite correr mundo de boca em boca. (QUEIROZ, 1973, p. 93).

Utilizar o estilo de lenda ou de fábula seria, assim, uma estratégia literária que não afasta o fato narrado da realidade, mas o isenta da comprovação, do apelo factual. É nesse critério, o da fábula historial, que os textos de Queiroz são construídos. Nesse sentido, Mariana, Sabará, Ouro Preto ou Belo Horizonte, são apresentadas a partir de fábulas, narrativas mistas de ficção e realidade. Criando desse modo, cidades de papel, um mapa ficcional de Minas Gerais.

Orientadora: Profa. Dra. Lyslei Nascimento
Mestranda: Verônica Gomes Olegário Leite
Programa de Pós-Graduação em Estudos Literários da UFMG
Faculdade de Letras da UFMG
Período: 2013-2014.